Carlson Gracie

Carlson Gracie

Carlson Gracie nasceu no Rio de Janeiro, em 1933. Filho de Carlos Gracie, Carlson cresceu no tatame acompanhando as aulas e treinos do seu pai e seu tio, Hélio Gracie.

Ambientado com a rotina de treinos desde o berço, o filho primogênito de Carlos logo começou a se destacar nos treinos e aos 17 anos, fez sua estréia no vale-tudo, enfrentando o capoerista Cirandinha, numa quadra de cimento no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro. Apesar de seu adversário ser 30 quilos mais pesado, Carlson só precisou de quatro minutos para vence-lo.

A estréia de Carlson num ringue de verdade acontecera no Maracanã (RJ), enfrentando o campeão de Judô, Boxe e Luta-Livre, Passarito. A luta terminou com empate depois de quase uma hora. O empate não agradou a Carlson, que exigiu um revanche, mas dessa vez com mudanças nas regras. Dessa vez seriam rounds de meia hora até um dos dois desistir. A luta durou cerca de duas horas com a vitória de Carlson.

Após essas vitórias, surgiram dezenas de desafiantes que foram derrotados um a um por Carlson, entre eles: o “Leão de Portugal”, o armênio Karadagian, o francês Jean Monier e o Passarito novamente, sendo esta terceira luta, um confronto programado para três rounds de dez minutos, onde Passarito desistiu no intervalo de segundo.

No dia 4 de Agosto de 1956, Carlson enfrentou Waldemar Santana, que havia derrotado seu tio Hélio em 24 de Maio de 1955 no combate mais longo de vale-tudo já registrado. Num Maracanãzinho lotado, Carlson obrigou Waldemar a desistir após 39 minutos de luta. Carlson enfrentou Waldemar outras cinco vezes, empatando duas e ganhando quatro lutas, sendo uma delas nas regras do jiu-jitsu.

Carlson Gracie

Outros combates vieram a partir de então contra Gunair Vial, ex-aluno do seu tio, Hélio, derrotou em poucos minutos um tal de king e Kong e na seqüência o tenente da PE Valdemar Viana.

Mas foi contra Ivan Gomes e Euclides Pereira, que vieram o combates mais duros da carreira de Carlson. Contra Ivan Gomes, os juízes deram um empate e os dois acabaram se tornando grandes amigos.

Já com 39 anos, Carlson recebeu um convite para enfrentar Euclides Pereira no Estádio da Fonte Nova na Bahia. O combinado é que a luta seria sem tempo e sem ponto. Porém, mudaram tudo em cima da hora e colocaram pontos. Carlson estava decidido a não lutar dessa forma, mas acabou aceitando o desafio para não estragar a festa do público local. Os juízes acabaram dando a vitória para Euclides, que fora o único lutador a derrotar Carlson.

Após esta luta, Carlson fez sua ultima luta contra Waldemar Santana e se aposentou dos ringues, passando a se dedicar a sua academia na rua Figueiredo de Magalhães, em Copacabana (RJ), onde popularizou o Jiu-Jitsu e formou o maior exército de lutadores da história do esporte.

Fonte: Revista Tatame – Edição Especial – Carlson Gracie